quinta-feira, 16 de abril de 2009

*Morte Asceta

*Começou em: 2001
*Terminou em: 2007
*Membros das bandas: Russian School of Ballet,White Christian Disaster, Test Ban Treaty, Jesus Mongolóide, Magatherium, Bruma, Pluto, Falso Branco, Duplo Cinza, Fundação Coração Negro, Repelentes, Newspeak, Inner Struggle Arma laranja...
*Discografia:
- Demo k7 – 2001 – Vietnamita Records
- Split com DER LP e CD – 2004 – Pecúlio Discos e Cospe Fogo Gravações
- Full Lenght que nunca saiu - 2006




Resenha por Chico Felix

“Com o final do Russian e Test Ban Treaty no final de 2001, eu e Mário estávamos desocupados e pensando em coisas novas. A mudança do Marx de Santos pra Curitiba trouxe um novo ar pra cidade, e por um novo ar eu quero dizer que a gente ouvia Motorhead, Black Sabbath, Black Flag e Poison Idea religiosamente nas madrugadas na minha casa. Nessa época nós estavamos cada um montando uma banda diferente, eu estava montando uma banda de hardcore com meu amigo Marcelo na bateria, o Mario queria fazer uma banda chamada Kubark com o Marx, e eu e Marx morávamos juntos e queríamos tocar, assim a gente juntou tudo na mesma banda e nasceu o Morte Asceta. Decidimos que primeiro, antes de qualquer show, nós iríamos gravar, fizemos cinco musicas nas quais o Mario jogou em cima as letras do Kubark e marcamos o estúdio. Assim que o estúdio foi marcado nós fomos tomados por uma onda de entusiasmo e escrevemos mais musicas, e o Marx sugeriu colocarmos o Shu na segunda guitarra, e usar essa formação pra fazer um som mais diferenciado e dissonante e ainda por cima decidiu fazer um selo ( Vietnamita discos, homenagem à musica vietnamese baby do NY Dolls que o Poison Idea toca no disco Blank Blankout Vacant) e lançar a gravação em cd. A presença do Shu na segunda guitarra deu mais peso e consistência pro som, e os shows começaram a ficar bem melhores do que a gravação.
Depois de gravado e prensado o disco, e com alguns shows a mais no nosso “currículo”, fomos pra SP pegar o cd e tocar na segunda weirdurada, de graça no tendal da Lapa com nossos amigos do Ayat Akrass. Esse primeiro ano de banda foi repleto de viagens ensandecidas, madrugadas ouvindo som, café e umas 3 ou 4 horas de sono por noite.
O segundo disco, foi inicialmente pensado como um split, pra ser lançado pela L-dopa, com alguma banda do baixista do MDC ( começou como o MDC e terminou como uma outra banda ) e acabou não rolando. Como nós num rasgo de empolgação mais uma vez fizemos uma porrada de músicas em uma semana e gravamos tudo em 2 dias, ficamos com a gravação na mão e sem ninguém pra lançar. Por sorte, o Boka da Pecúlio e o Thiago Dãr da Cospe Fogo resolveram pegar essa gravação e lançar em split com o fodidissimo DER, e em vinil ainda por cima. Esse disco, na minha opinião suspeita, é um clássico! Desde a arte do Mário, passando pelas letras, a combinação das bandas, até o som, que foi chamado milhares de vezes de “discordante”. É o disco que melhor representa o Morte Asceta.
O problema foi que entre o período de gravação até o lançamento, começou uma série de viagens desgraçadas (acidentes de carro, motoristas dormindo no volante, e ainda menos horas de sono), somadas ao fato de nossos músicos estarem ficando velhos e dedicados a outras atividades ( estudos e trabalho) que foram aos poucos matando o Morte Asceta.
Em 2005 e 2006 os shows foram ficando menos freqüentes, ainda que a banda musicalmente estivesse melhor do que nunca, com várias musicas novas mais influenciadas pelo Black Flag, numa linha semelhante à do genial Flama (que foi influenciado pelo MA no começo). Pela metade de 2006 a banda tinha parado completamente porque o Marx tinha ido viajar por conta dos seus estudos, quando ele voltou nós fizemos alguns shows e gravamos 11 musicas inéditas que jamais foram lançadas, entre elas a música que simboliza todo o estilo de vida por trás do Morte Asceta: Café e Raiva (uma frase inventada pelo Shu). Em janeiro de 2007 nós nos reunimos para um último show em SP no Espaço Impróprio ao lado do Flama para ir pro inferno em grande estilo. Marx se mudou pra América do Norte, Marcelo pra Campinas e nós começamos aquela coisa de bandas com cores.”

Escute aqui:

http://www.myspace.com/morteasceta

6 comentários:

marcelo bacellar disse...

Chico, amigo Chico, este show do Tendal da Lapa foi com o Voices, ainda não havia Ayat akrass, de qualquer maneira este rolê foi memorável, com direito a Zé do Caixão e Rua Sidney Magal.

nile disse...

puta banda foda pra caralho. bons tempos aqueles. mas se liguem, malditos do ragga, na discografia, leiam: 1) CD – 2001 – Vietnamita Records, 2) Split com DER LP e CD – 2004 – Pecúlio Discos e Cospe Fogo Gravações, 3) Outro Full Lenght que nunca saiu - 2006.

eu vendi o meu CD do morte asceta na época, pois eu tinha uma distro*, se não teria até hoje. nesse tempo, no site da minha distro resenhei dessa forma:

MORTE ASCETA

Musica densa, pesada e provocadora quebrando mais barreiras de produção no hardcore. Os aliados curitibanos do Morte Asceta lançam seu primeiro material. O lançamento fica por conta do novo selo curitibano Vietnamita Discos, que em sua primeira ação, impressiona devastando todas as falsas expectativas. A culpa é um estado fundamental para o controle.


Inspirações diversificadas em ação comum causam uma definição indefinida dessa banda: O bom e velho julgamento moral, as mesmas merdas em preto e branco. O drama de uma vida baseada na aptidão de separar o certo do errado, branco do preto. A escolha entre máscaras de papelão. A liberdade de um tabuleiro de xadrez, o chamado de um estilo de vida. Uma freira cheia de culpa, espero que aceitem seu distintivo quando enfiarem uma arma goela abaixo. Mas quem sabe você não é um policial disfarçado escolhendo lados e fazendo inimigos atuando para as câmeras de cima do pedestal moral, traçando linhas e cuidando da vida alheia. Tudo que você vê você vê em preto e branco. Boas letras como essa em apresentações brutas negativamente carregadas, conferem o ambiente para esse grande lançamento de sete lucrativos reais da Vietnamita Discos.

abraço aí pra geral,
nilo

--------------
* distro é uma distribuidora de material independente (zine, jornal politiqueiro, demotape, CD-demo, CDs independentes, vinis, patches) que vende as coisas sem qualquer lucro só pra ajudar os projetos de colegas...

nile disse...

lembrei também que tocamos juntos num show que a banda atendia por outro nome, Irmãos Hansen, no extindo Bills Bar, no Largo da Ordem. Klaus poderia contar umas boas sobre esse dia. o cartaz era esse;

http://i325.photobucket.com/albums/k372/aakrass/regrasocial3.jpg

essa era a capa do disco:

http://i325.photobucket.com/albums/k372/aakrass/morteasceta.gif

esse foi em são josé dos pinhais:

http://i325.photobucket.com/albums/k372/aakrass/04deagosto2002.jpg

esse foi no DCE:

http://i325.photobucket.com/albums/k372/aakrass/guerra1a.jpg

e esse foi de um festival marcante, que um dia falo mais, quando não estiver tão atrasado pra sair, =D

http://i325.photobucket.com/albums/k372/aakrass/pedrass.jpg

Gentefeianatv disse...

Graças aos céus alguem tem memoria. Obrigado amigos, vcs são um colosso. Nilo apavorou na contribuição!

Essa como Irmãos Hansens foi o unico show do MA sem o Shu, que ainda não tava na banda. E como a gente não tinha gravado ainda colocamos esse nome pra poder tocar. No show do Pluto, desligaram a energia no meio do show e eu continuei tocando uma batida escrota por meia hora enquanto o Klaus chamava as pessoas pra dizerem seus nomes e contarem piadas no microfone(desligado). Dado momento uma metaleira falou, "cara por favor, para de tocar!"

Gentefeianatv disse...

Outra coisa, essa historia da demo cassete é o seguinte:
De fato existiu uma demo k-7 com 3 musicas, que a gente fez só 30 copias ( a capa era uma ilustração da Lena).
Depois veio o cd pela vietnamita ( capa P&B com a foto da menina estilo "o chamado", chapada de LSD).E depois o split com o DER ( capa colorida com o Elvis).
A confusão vem do fato que o cd da vietnamita foi disponibilizado por aí na internet como sendo a demo, mas isso aí tá errado, porque o cd é um cd prensado mesmo. E a demo como já disse, é um k7 com essa arte já citada.

yuki disse...

po véio!
doidera! nao li ainda, acabei de descobrir o blog!
+ vou ler depois!