terça-feira, 12 de maio de 2009

*Pinheads

*Começou em: 1992
*Terminou em: 1996
*Membros das bandas: Hulk, ...
*Integrantes da banda: Julio - Guitarra/ Dudu - Bateria / Paulo - Baixo-Voz
*Discografia: Em 93,94 e 95, período no qual lançaram três demo-tapes ("Pinheads", "Where’s The Silver Tape?" e "Hand In Head"), um 7 polegadas ("For Fun", com 6 faixas) e participaram de uma coletânea ("Flying Music 4 Flying People", Cogumelo) com oito músicas.

Paulo - Baixista e Vocalista

Capa do 7 polegadas For Fun

Resenha por Barulho Records

"De 92 a 96, existiu em Curitiba um power-trio chamado Pinheads. Os caras fizeram furor durante aqueles anos, especialmente em 93,94 e 95, período no qual lançaram três demo-tapes ("Pinheads", "Where’s The Silver Tape?" e "Hand In Head"), um 7 polegadas ("For Fun", com 6 faixas) e participaram de uma coletânea ("Flying Music 4 Flying People", Cogumelo) com oito músicas.
Os shows dos Pinheads, tanto em Curitiba como em outras cidades eram tão bons e as músicas gravadas se tornaram tão clássicas no cenário independente nacional, que a banda fez escola.
O trio se separou no final de 96 e virou um mito. Bandas de todo o Brasil começaram a tocar covers do Pinheads nos shows e novas bandas os citavam como influência. Surgiu então a idéia de fazer um álbum-tributo aos caras, com as bandas fazendo suas releituras, fiéis ou à sua maneira. Existiam mais de 40 músicas. Mais de 40 bandas foram convidadas, num trabalho que levou quase um ano. Chegou-se então ao resultado final: 24 bandas, 23 músicas. A se lamentar apenas a ausência, por diversos motivos, de bandas contemporâneas dos Pinheads, como Dead Fish, Dreadfull, Garage Fuzz e Slack Nipples. O disco abre e fecha com "Oh Ja", nas versões de Jason e Muzzarelas (esta com referências a Metallica e Misfits). Os Wacky Kids esbanjam melodia em "Friendly Song", o Heffer manda muito bem em "Today Is The Day". Depois uma trinca curitibana: o Confusion faz de "Basic Rock" uma música sua, O Hülk (com um ex-Pinheads na formação) deixa "Take A Decision" ainda mais grudenta e o No Milk Today transforma "Many Side Lad" num Oi! repleto de coros. "Destination Zero" ficou excelente com o Hateen, com um excelente vocal. O Mukeka Di Rato faz "Somebody Help" ainda mais rápida que o original. O Acmme reinventa "Skate Session". O ACK tem boas intenções em "I’m Not A Nerd" mas a gravação ficou comprometida. Depois vem o... Green Day? Não, é o trio paulistano Holly Tree na quase irreconhecível mas interessante versão de "Psychozone". O Noção De Nada dá uma aula em "Into Another Cyco". Os Anões de Jardim buscam inspiração em New York para fazer a versão de "Get Out Nasty" ainda mais porrada. Os Hill Valleys (RJ) procuram ser fiéis na bela "Wish You go Away". O Guliver faz uma versão de "Forget The Problems" rigorosamente igual à de sua demo de 94, só que melhor gravada. O Sugar Kane, de Curitiba, faz "Slowmotion" com inserção de diálogos e brigas. Os White Frogs têm mais valor histórico em "Runaway", pois a gravação, feita às pressas, também deixa um pouco a desejar. Em seguida, o momento mais emocionante do disco: o ex-batera dos Beach Lizards, Nervoso empunha um violão, uma guitarra e se tranca sozinho em um estúdio no Rio e faz uma tocante versão ‘unplugged’ de "Plutoflipper’s Land" com referências a Buzzcocks e deixa qualquer um arrepiado. O Randal Grave, diverte em "It’s In Your Hands", com samplers de entrevista dos Pinheads na MTV (!). O trio curitibano Camaro 78 é uma das mais gratas surpresas da coletânea com "I Need You Tonight" (da 1ª demo do Pinheads), proporcionando um dos melhores solos do disco, vocais que lembram Parasites e bateria ramônica. O Stukas Lazy, também vai à 1ª demo e ressuscita "The Music Is OK". As meninas do Staples poderiam ter caprichado mais em "Face The World" e o Againe, embriagado por café e mais alguma coisa, destrói e reconstrói várias vezes "I Don’t Know Why" em português, com experimentalismos e viagens sem volta.
No encarte do disco, tem os contatos de todas as bandas, fotos clássicas dos Pinheads ao vivo, árvore genealógica e texto contando um pouco da trajetória meteórica da melhor banda que Curitiba já pariu."

Escute Aqui:


Baixe Aqui:

6 comentários:

Carlos Alberto disse...

Pinheads era foda!
seu blog me emciona.
Abrá

Christiani disse...

Ah! Pode usar tudo aí! =)
Beijo!

beto disse...

atualizaaaaa

Andre disse...

conhecí o pinheads num show no syndicate. era eles e mais uma banda q ñ lembro de jeito nenhum. foi um dos dias q eu ví o syndicate mais cheio.
mas ñ curtí... me parecia muito tentando soar como bad religion (q tb ñ gosto... tá, sou chato mesmo heehe)


andré.

Felipe disse...

Bons tempos ! A banda era 10, mas o melhor era a platéia que se divertia a valer, "pogava" subia no palco, cantava junto e por incrível que pareça, dificilmente rolava pancadaria. Saudades !

Felipe disse...

Bons tempos ! A banda era literalmente punk, muito boa, e a platéia era um show a parte, a galera se divertia mesmo, "pogava"subia no palco, mosh e mais mosh, cantava junto e por mais incrível que pareça muito raro rolar pancadaria. Saudades !